COMPROMISSO COM A EDUCAÇÃO, CIÊNCIA, TECNOLOGIA, CULTURA, ENSINO SUPERIOR, MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO REGIONAL

 

Sou Candidato a Deputado Estadual pela Rede Sustentabilidade. Reitor da Universidade de Taubaté (2010-2018), Professor, Engenheiro e Membro Conselheiro do Conselho Estadual de Educação do Estado de São Paulo. Fui um dos fundadores e Vice-Presidente da AIMES (Associação de Instituições Municipais de Ensino Superior de São Paulo) e também membro fundador da Associação Nacional das Instituições Municipais de Ensino Superior (ANIMES).Nesta nova fase da minha vida, encaro um novo desafio, com muita esperança e trabalho, sempre na luta em defesa da igualdade, da justiça e da ética. Minha bandeira continua sendo a educação, a ciência, a tecnologia, a arte, a cultura e a utilização de energias renováveis, para uma sociedade sustentável.

Assim, após 37 anos de vida acadêmica e 12 anos de gestão universitária na Universidade de Taubaté, encerro um ciclo positivo que, creio, contribuiu para o ensino superior ter uma maior presença da comunidade acadêmica nos acontecimentos cotidianos das entidades públicas/privadas e nos movimentos socioculturais da região, além da expansão das atividades universitárias no Brasil e no exterior.

Também sou escritor, músico e poeta com CDs gravados e livros publicados, tendo um relevante trabalho cultural.

O Brasil é, sem dúvida, um país de oportunidades e um grande e estratégico mercado em desenvolvimento. Nos últimos anos, em diferentes setores, percebe-se que ocorreu um aumento da capacidade de consumo interno no País. No entanto, ainda existem grandes desafios e problemas que devem ser superados, que têm levado à chamada “desindustrialização”. Neste contexto, aqui são abordados sete pontos que considero importantes, como reflexão, para os gestores públicos do País reverem posturas, de modo a que possamos vencer os obstáculos e tornar nosso País mais competitivo:

1. EDUCAÇÃO – O Plano Nacional de Educação (PNE) – 2014/2024 -estabelece uma série de obrigações e traça 20 metas a serem cumpridas pelos poderes públicos Federal, Estadual e Municipal. No entanto, até hoje não definiu claramente as fontes de recursos e as divisões de responsabilidades financeiras entre União, Estados e Municípios. O desafio é viabilizar o PNE e o melhor caminho é a implantação de um Sistema Nacional de Educação para a educação superior no Brasil, integrado, que disponibilize as mesmas diretrizes, oportunidades e recursos tanto para o ensino público quanto para o privado. É necessário aumentar o nível de escolaridade; investir mais e melhor na qualidade do ensino público, em todos os níveis, com ênfase no ensino fundamental de tempo integral; qualificar profissionalmente os trabalhadores especializados, os gestores e os líderes, para a condução de processos produtivos e de desenvolvimento tecnológico; investir ainda na educação por competências. Os mesmos desafios se aplicam ao Plano Estadual de Educação e aos planos municipais.

2. FOMENTO À INOVAÇÃO – É primordial desenvolver e reter aqui os grandes talentos: cientistas, pesquisadores, professores, projetistas, engenheiros, profissionais da saúde e das ciências humanas; incentivar as patentes; oferecer apoio contínuo à pesquisa e ao desenvolvimento regional; aproximar as instituições de ensino, o governo e a iniciativa privada; promover o desenvolvimento de novas tecnologias, novos setores e novos produtos; conscientizar-se da responsabilidade socioambiental, da sustentabilidade empresarial e da sustentabilidade global.

3. ESTÍMULO ÀS EXPORTAÇÕES – O Estado precisa se reposicionar com relação ao comércio exterior; oferecer incentivos fiscais aos investidores; priorizar a manufatura com maior valor agregado; investir nas indústrias locais; reduzir os custos de capital, matéria-prima e energia, e promover uma política cambial mais justa. O Brasil precisa sair da condição de exportador de commodities. Para isso é fundamental o investimento em Pesquisa e Desenvolvimento para criarmos novas matrizes industriais focadas, principalmente, na transformação da nossa produção agropecuária e de minérios.

4. REFORMA TRIBUTÁRIA – Temos hoje um sistema ineficiente, complexo, burocrata e altamente tributado, direta e indiretamente. Algumas medidas urgentes são: expandir o crédito; atrair investimentos internacionais; reduzir custos tributários, econômicos e financeiros, e o custo operacional da indústria; incrementar a fiscalização eletrônica e de controles; rever, nas empresas, procedimentos internos ligados aos tributos.

5. INFRAESTRUTURA – É um grande gargalo atualmente. É essencial investir em logística, sistemas de informação, redes elétricas, telecomunicações; dar pleno acesso às matérias primas; construir malhas metroviárias e ferroviárias com visão de futuro, e requalificar a nossa malha rodoviária; construir e reformar portos e aeroportos; atuar firmemente na questão da segurança pública, regulamentar a utilização de recursos naturais; promover a saúde individual e coletiva, a habitação e oportunizar emprego para todos, aliando o desenvolvimento econômico ao desenvolvimento social.

6. ENERGIA E ÁGUA – Mesmo com grande disponibilidade de recursos hídricos, o Brasil sofre com a escassez de água potável, devido à sua irregularidade de distribuição, precisamente nas regiões Centro-Sul e Nordeste e pode também vir a sofrer uma nova crise energética. Assim, é preciso combater o desperdício de água e de energia. Investir pesadamente nos sistemas de geração e distribuição, realizar campanhas de conscientização, implantar projetos e leis de incentivo ao uso de fontes renováveis e de energia limpa, universalizar o tratamento da água e de resíduos, bem como o saneamento básico.

7. COMBATE IMPLACÁVEL À CORRUPÇÃO – A corrupção é um mal que afeta diretamente o bem-estar de todos e o desenvolvimento do Brasil, pois reduz os investimentos públicos na saúde, na educação, em infraestrutura, segurança, habitação, entre outros. Todos nós sabemos da imediata necessidade de combater essa prática, fazendo valer a lei e aplicando as devidas penalidades, sem distinção de raça, de nível social ou de cargo político.

Os caminhos para vencer esses desafios passam, certamente, pelo fortalecimento das instituições por meio da educação. Compete ao poder público estimular as exportações, repensar a reforma tributária e a infra-estrutura, superar o atraso tecnológico com adequados investimentos na ciência e na pesquisa, manter a taxa de juros em um patamar baixo e organizar um sistema de financiamento de longo prazo. É primordial que se fortaleça a empresa nacional, estabelecendo também parcerias com empresas estrangeiras, de modo a promover a melhoria da qualidade de vida de todos, para que o setor industrial possa assumir um novo e preponderante papel na construção do Brasil do futuro.

No campo político, é necessário que aumentemos a representatividade da nossa região tanto na Assembléia Legislativa do Estado de São Paulo quanto na Câmara dos Deputados. A mudança do Brasil ocorrerá com a escolha certa dos representantes do povo e, portanto, é fundamental optar por alguém preparado administrativamente e sem a mácula desta política atual, que está destruindo nossa Nação.

Sou Candidato a Deputado Estadual e estou disposto a atuar na transformação política e socioeconômica do Brasil, em uma gestão compartilhada, apresentando bons projetos, com a proposta de um mandato político utilizando as melhores cabeças das instituições de ensino superior do Estado de São Paulo e, principalmente, com a sua contribuição intelectual.
Você acompanhou as considerações acima. Se você concorda que é preciso requalificar a atividade política no Brasil, nos ajude a compartilhar e participe do nosso trabalho. Nossa estrutura é pequena e só alcançará as pessoas se você estiver junto conosco neste desafio.

Contamos com o seu apoio. Entre nas nossas redes sociais e curta/compartilhe os nossos conteúdos e fale conosco pelo WhatsApp (12) 98138-3293, pelo e-mail joseruicamargo@gmail.com ou pelo Facebook Professor José Rui, identificando-se, para participar do nosso projeto.Sua participação é fundamental, tanto para a construção de um plano de gestão quanto para a sua futura implantação. Conto com a sua colaboração, agradecendo antecipadamente pelas suas sugestões.

Prof. José Rui Camargo – Candidato a Deputado Estadual
www.facebook.com/ProfessorJoséRui

Não estou doando mais do que 10% da minha renda anual do ano anterior.
Não sou permissionário(a) do serviço público